A ARTICULAÇÃO DA VIOLÊNCIA ENTRE ELEITORES E BOLSONARISTAS


Um eleitor de Jair Messias Bolsonaro (PL) matou um eleitor de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a facadas em Cascavel (CE) ao entrar em um bar gritando quem votaria no petista neste último sábado (24). Antônio Carlos Silva de Lima, 29 anos, que estava no local, se declarou como lulista e foi esfaqueado nas costelas. O homem foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. [1]


Edmilson Freire da Silva, 59, o suspeito do assassinato, foi preso pela polícia civil com um mandado de prisão preventiva na tarde de segunda-feira (26).


A alguns dias das eleições brasileiras, o crime aparentemente ligado a uma motivação política não é um caso isolado, posto que diferentes casos de agressão entre eleitores de ideologias opostas ocorreram nos últimos meses. Relembre alguns casos anteriores:


7/10/2018 - Bolsonaristas atropelam cineasta

Guilherme Daldin conversava com amigos enquanto estava parado ao lado de um bicicletário, quando um carro foi jogado contra ele, pressionando seu pé com um dos pneus. Após a identificação do motorista, foi descoberto que suas postagens de redes sociais incitavam o ódio ao PT.


12/12/2021: Equipe da TV Bahia é agredida por seguranças e apoiadores de Bolsonaro em Salvador


A jornalista Camila Marinho e o cinegrafista Cleriston Santana da TV Bahia, afiliados da Rede Globo, aguardavam a chegada de Jair Bolsonaro em Itamaraju, sul do estado da Bahia, quando foram agredidos por militantes e guarda-costas do presidente. Um dos seguranças executou o golpe “mata-leão” na jornalista. No mesmo evento também foram agredidos jornalistas da TV Aratu Xico Lopes e Diário Cerqueira.


7/7/2022 - Bolsonarista usa drone para despejar fezes e urina em apoiadores do Lula


Um drone de pulverização, usado normalmente na agricultura, sobrevoou um ato político de Lula em Uberlândia (MG) neste ano despejando fezes e urina nos apoiadores do petista. O responsável pelo ataque foi preso.


A origem desse discurso


Bolsonaro em ato político no Acre ao falar em “fuzilar a “petralhada”


Palavras que corroem


Essa sequência de casos mostra como Bolsonaro conseguiu criar um sistema no qual o estado não reprime a opinião pública diretamente, e sim o faz por meio da mobilização de seus eleitores, que agem violentamente frente a seus opositores. Isso gera um território sem debate político, sem informação e sem diferentes perspectivas, moldado pelas vontades daqueles que se utilizam da retórica do ódio.


Bolsonaro aproveita os discursos públicos para propagar incitações violentas, como o comício em Maranhão, no qual alegou que, juntamente a seus aliados, iria “em um curto período de tempo mandar embora o comunismo do Brasil”. No mesmo dia, ele expressou falas violentas por meio das piadas homofóbicas, ao receber uma bebida de cor rosa: “Agora eu virei boiola. Igual maranhense, é isso?”. Esse discurso contra a população marginalizada também foi utilizado em um culto evangélico da igreja Assembleia de Deus, em Juiz de Fora, no qual Bolsonaro disse: “A mãe quer que o Joãozinho continue sendo Joãozinho. Ah, declaração homofóbica... Meu Deus do céu. (...) Onde nós iremos? Cedendo para as minorias”.


Essa retórica do ódio comum ao bolsonarismo se baseia em dividir o mundo de forma maniqueísta, ou seja, aquilo que é bom: Deus, família. E aquilo que é ruim: esquerda e comunismo. A grande consequência disso é que passamos a não enxergar a política com uma visão crítica no que tange aos projetos dos candidatos, mas sim em ataque às crenças dos outros. E, pior, a generalização de indivíduos delimita a capacidade de entendermos as opiniões dos outros como válidas.



Revisão: Artur Santilli, Beatriz Nassar e Fernanda Abdo


Referência

[1] RODRIGUES, Henrique. Eleitor de Lula Morto a machadadas: Veja lista de crimes de bolsonaristas até agora, 9 de setembro, 2022 . Forum. Disponível em https://revistaforum.com.br/politica/2022/9/9/eleitor-de-lula-morto-machadadas-veja-lista-de-crimes-de-bolsonaristas-ate-agora-123013.html. Acesso em 27 de setembro de 2022


[2]ROCHA, João Cézar de. GUERRA CULTURAL E BOLSONARISMO: Como a retórica do ódio criou uma realidade paralela. Youtube, 24 de abril de 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=CAEcthnbOac&t=201s&ab_channel=CartaCapital. Acesso em 25 setembro de 2022