NOVEMBRO AZUL – O COMBATE AO CÂNCER DE PRÓSTATA

Para o texto de hoje temos uma entrevista do nosso repórter Rafael Coquejo. Dr. José Francisco de Freitas, urologista e cirurgião geral, nos conta mais sobre o câncer de próstata nesse novembro azul.

Mais um ano que se passa e novamente, durante o mês de novembro, é feita a campanha em prol da conscientização em relação a uma doença que atinge mais de 60 mil brasileiros todos os anos e mata uma pessoa a cada 40 minutos no nosso país.O câncer de próstata, quando diagnosticado no começo, tem grandes chances de cura. Mas como identificar a doença no início? Quais os sintomas? Quais exames devem ser feitos e a partir de que idade? Essas e outras perguntas foram respondidas pelo Dr. José Francisco de Freitas – urologista e cirurgião geral – nesta entrevista especial para o Novembro Azul.O que é a próstata e qual a sua função no organismo?


A próstata é uma glândula localizada abaixo da bexiga e por dentro dela passa o canal da uretra. A função dela está relacionada à produção do sêmen – 70% do sêmen produzido pelo homem vem da próstata. Então, basicamente, a função dela está na fertilidade.


O que é o câncer de próstata e quais as principais doenças que podem atingir essa glândula?


O câncer de próstata é um tumor maligno que ocorre devido a uma mutação celular. Existem três problemas que um homem pode ter na próstata: ele pode ter uma inflamação, que se chama prostatite; uma hiperplasia benigna, que é o tumor benigno; e o câncer de próstata. Eles são coisas diferentes, apesar de ocorrerem no mesmo órgão.O tumor benigno é muito comum, tanto que todos os homens vão ter depois dos 50 anos (alguns vão precisar ser medicados e operados, outros não) e ele ocorre, em geral, no centro da próstata, de modo que a pessoa sente dificuldade para urinar. Já o câncer de próstata, que é um tumor maligno, em geral, ocorre na parte mais periférica da próstata, o que faz com que, muitas vezes, quando a lesão é pequena, o paciente não sinta nada no começo, apenas quando o tumor já está mais avançado. Além disso, o câncer de próstata forma raiz, ou seja, ele dá metástase, disseminando a doença para outros órgãos.


Qual é a causa do câncer de próstata?

Assim como a maioria dos cânceres, não se sabe exatamente a causa do câncer de próstata. O que se sabe é que a maioria dos homens vão ter essa doença e conforme a idade avança, maior a probabilidade de adquiri-la - aos 90 anos, 1 em cada 2 homens tem o câncer de próstata. Além da idade, outra possível causa é a hereditariedade, quem tem parente de 1º grau com câncer de próstata tem uma chance maior de desenvolver a doença.Também é possível agregar outros fatores, como alimentação rica em carnes em geral, tanto que nos países em que se consome muita carne o índice de câncer de próstata é maior, já nos em que se consome menos o índice menor – como no Japão, por exemplo. Além disso, cigarro, toxinas, venenos e drogas podem, apesar de em menor grau, causar predisposição para o câncer.


Quais os principais sintomas?

O câncer de próstata não dá sintomas no começo. Isso ocorre porque a próstata é dividida em uma parte externa e outra interna e 80% dos cânceres de próstata estão na parte externa, que não está ligada diretamente ao canal da urina. Com isso, o tumor estando pequeno, no começo, não atrapalha o canal e a pessoa acaba não sentindo nada, já que não teve dificuldade ou dores para urinar e nem sangramentos.Numa doença avançada, o principal sintoma é a dificuldade para urinar (urinar toda hora, muito à noite). Esse sintoma é o mesmo de um tumor benigno, que ocorre mais próximo do canal. Muitas vezes, pacientes com esses sintomas são diagnosticados com o tumor benigno, porém, com o tempo, ele pode desenvolver o tumor maligno, que é o câncer, e a pessoa pode acabar tendo as duas doenças. Portanto, caso o paciente já esteja sendo tratado do tumor benigno, a chance de se diagnosticar o câncer de próstata no começo é maior e as chances de cura também aumentam.


Como é feito o diagnóstico da doença? Quais os principais exames e com que frequência devem ser feitos?O diagnóstico da doença no começo é mais difícil e elaborado. O homem precisa ir no urologista depois dos 40 anos, fazer o exame de sangue e o toque retal. Com esses dois exames é possível dizer se o paciente é suspeito de ter o câncer de próstata. A próstata produz uma substância chamada PSA, que está muito presente no sêmen e pode ser encontrada no sangue também, e a gente sabe que uma célula cancerígena da próstata produz 9 vezes mais PSA que uma célula normal. Já o toque serve para identificar um eventual nódulo na glândula.Se o PSA e/ou o toque vierem alterados, é feita a biópsia, que pode determinar se o paciente tem ou não o câncer com um nível de confiança bastante alto. A biópsia é feita pelo ultrassom, que faz um mapeamento da próstata, dividindo-a em 6 quadrantes e tirando 2 fragmentos de cada um deles. Nesses fragmentos pode vir o tumor e é possível, inclusive, saber o ponto na próstata onde está localizado o tumor.Em relação à frequência, é importante que os homens façam os exames todos os anos: a partir dos 40 anos para filhos de pais com câncer e a partir dos 45 para todos os homens.


Qual o tratamento após a doença já desenvolvida?

Caso o diagnóstico tenha sido feito no começo, o tratamento pode ser feito de duas formas: pela cirurgia, em que se retira o órgão todo; ou pela radioterapia. Os dois apresentam bons níveis de eficácia. Caso o tumor já tenha progredido, o paciente pode ir para o tratamento por hormonioterapia, que regride o tumor – nesse caso, o paciente não será curado, mas ele pode viver bem por muito tempo. Existe também a vigilância, que é para pacientes mais idosos que tenham outros problemas de saúde, já que, muitas vezes, eles não morrerão do tumor – caso o tumor cresça, pode-se iniciar um tratamento, mas pode ser que não seja necessário. É preciso sempre avaliar o tratamento caso a caso para não atrapalhar a qualidade de vida do paciente.


Como se prevenir?

Não existe exatamente algo que se possa fazer para não ter o câncer de próstata, já que os principais fatores são a idade e a hereditariedade. O mais recomendado é levar uma vida saudável: comer bem, não fumar, não exacerbar em álcool e carnes.E, é claro, é muito importante fazer os exames anuais – o toque retal e o exame de sangue – para que o câncer seja diagnosticado já no começo, o que aumenta as possibilidades de cura.

5 visualizações