REVOADA: PARCERIA INOVADORA OU DESRESPEITO À CULTURA GVNIANA?






Há duas semanas, a Associação Atlética Acadêmica Getulio Vargas (AAAGV) divulgou uma festa denominada “Revoada” em parceria com a Atlética da ESPM. Previsto para ocorrer no dia 6 de setembro, o evento tem a presença confirmada de nomes como MC G15, DJ Ery, JC NO BEAT, entre outras atrações.


A união das duas maiores atléticas de São Paulo traz a promessa de uma festa inédita na Águia de Ouro. Com 8 horas de open bar, a Revoada se apresenta como o melhor programa universitário na capital paulista para a véspera do feriado de 7 de setembro. No entanto, o anúncio tem gerado amplo debate dentro e fora do ambiente GVniano em função do seu caráter controverso, dado o clima de rivalidade e inimizade que perdura há anos entre as torcidas das duas faculdades. A situação rendeu trocas de farpas públicas e até uma curiosa versão — que pode ser vista abaixo — do clássico texto humorístico "Se vocês soubessem o que aconteceu, ficariam enojados" originalmente se referindo à suposta venda da Copa do Mundo de 1998 pelo Brasil, e adaptada com os personagens envolvidos nessa situação. O que o encontro entre Jacaré e Jacarito nos reserva?



Pessoas contrárias à festa divulgaram seus pontos de vista nos comentários do post original da festa, feito pela AAAGV.


É emocionante ver o carinho da torcida.


Paródia do texto humorístico citado anteriormente.


Fica aí a denúncia.


Durante a elaboração desta reportagem, a Gazeta Vargas conduziu uma investigação para desenhar um retrato da galera por trás desse evento e reunir as perspectivas dos diferentes atores que protagonizam as críticas à Revoada. Entramos em contato com membros do Diretório Acadêmico Getulio Vargas (DAGV), da bateria TatuBola e das atléticas envolvidas na realização do evento, além de alunos sem envolvimento direto com a organização do evento.


DAGV

Em 18 de agosto, dia seguinte ao primeiro anúncio da festa Revoada, o DAGV publicou em suas redes sociais uma nota de esclarecimento, sinalizando não possuir quaisquer vínculos com o evento e se eximindo de responsabilidade por complicações ou reclamações relativas a ele. Entramos em contato com Valentina Niccolai e Priel Iampolsky, diretora de eventos e presidente do Diretório Acadêmico, respectivamente, que nos ofereceram seu ponto de vista sobre a polêmica:


“A questão financeira da Atlética é um problema interno da entidade e, portanto, o DAGV não tem informações sobre isso. Sabemos que o Economíadas deu prejuízo, mas nossos conhecimentos param por aí.


Além disso, o fato de o DAGV ter sido excluído da participação não foi uma adversidade, pois não há problema com a realização individual de eventos por cada entidade. Também não é um problema realizar festas com outras faculdades. Porém, nesse caso específico, a ESPM é uma das únicas faculdades com que já houve desentendimentos no passado, muitos deles instigados pela própria Atlética, como a rivalidade em jogos universitários. Assim, compartilhamos da visão da APA e da TatuBola de que realizar uma festa em conjunto com a ESPM é uma afronta à tradição.


Outro ponto a ser considerado é a possibilidade de ocorrerem brigas ou tumultos, tendo em vista que os nossos alunos podem (e às vezes até atuam quanto às suas emoções) levar as rixas um pouco a sério demais. Além disso, existem casos de roubo de patrimônio, que podem vir a ocorrer novamente.


Igualmente, após a pandemia, foi notória a perda da cultura GVniana dentro da FGV. No ano de 2022, as entidades representativas do alunato estão continuamente lutando para recuperar essa cultura e o sentimento de pertencimento. Sendo uma delas, as ações da Atlética, quanto à realização de uma festa conjunta com ESPM, demonstram nitidamente o enfraquecimento das nossas tradições ao invés de reiterar a luta pela sua recuperação, que, de acordo com o alunato, é o que a entidade deveria fazer.


Por fim, vale ressaltar que o evento em questão não conta com a lista de bolsistas, fato que gerou grande insatisfação por parte do alunato, tendo em vista que reservar a isenção do pagamento dos ingressos por parte dos bolsistas garante a mesma oportunidade de convivência a todo o corpo discente da faculdade, visando sempre uma maior inclusão de todos na cultura GVniana.”


ATLÉTICA

Em depoimento à Gazeta Vargas, a Associação Atlética Acadêmica Getulio Vargas (AAAGV) comentou alguns dos principais pontos em pauta sobre a festa. No que se refere às críticas sobre a não participação do DAGV no evento, foi observado pela Atlética que “a Atlética e o DAGV são entidades representativas com escopos diferentes e que atendem ao alunato de maneiras muito distintas. Somos entidades independentes e não temos amarras uma com a outra. Logo, o DAGV não foi excluído do evento, já que este é apenas um projeto da Atlética, assim como eles têm os deles”. A Atlética também relatou ter um problema de caixa, observando que “[...] há uma preocupação com a saúde financeira da Atlética”, visto que “[...] (estamos) passando por um ano difícil em questões de gastos: aumentamos o número de quadras que estamos pagando — a quadra da FGV voltou apenas em março, e outras parcerias com as quadras poliesportivas se perderam por conta da pandemia” — sendo assim necessário “[...] olhar a longo prazo e pensar na continuidade do pagamento de quadras e técnicos para que os times possam treinar sempre.”


Quanto às acusações de que a Revoada estaria desrespeitando a cultura GVniana, a Atlética ponderou que “o intuito aqui é uma festa que não tenha o tema GV, como as outras festas, justamente para que seja algo novo e uma experiência diferente para o alunato. Por isso, reforçamos que não teremos as nossas cores na decoração e/ou os patrimônios da torcida presente, e estaremos trabalhando com um outro escopo”. Se tratando do antagonismo entre as duas faculdades e a possibilidade de tumulto e brigas em decorrência disso, a Atlética ressaltou que “a rivalidade dentro da quadra é incentivada, mas seria imprudente da nossa parte incentivar que os alunos fora do ambiente de jogos, disputem algo ou criem conflitos”, já que “isso não é saudável para a comunidade como um todo, afinal, são essas mesmas pessoas que estão juntas na Tenda das Economíadas quando o jogo acaba e, muitas vezes, são amigos(as) antes mesmo de iniciarem a graduação”. A Atlética também buscou tranquilizar os alunos sobre o medo de violência na festa, afirmando que “não teremos qualquer patrimônio da atlética, torcida ou bateria na festa e vamos deixar o espaço mais neutro possível, para você ir lá beber e curtir sem problemas.”


Finalmente, a Gazeta Vargas perguntou à Atlética sobre um dos pontos que vem gerando mais polêmica sobre a festa, a não gratuidade para os bolsistas da FGV. Iremos reproduzir a resposta da entidade na íntegra:


“Assim como todas as festas e eventos que fazemos, temos desconto sim para bolsistas. Os descontos são aplicados para as bolsas 100%, como em qualquer evento da Atlética ou do DA. Fazendo a divulgação pelo próprio coletivo de bolsas, estamos em constante contato com os representantes do coletivo de bolsistas de cada escola para encontrar o valor mais confortável para ambos os lados. Entendemos que haja estranheza devido ao fato de que ingresso não é 100% gratuito, mas, assim como no Econo, algumas coisas estão fora do nosso alcance quando se trata de um evento que envolve mais organizadores. Porém, nunca deixamos de pensar nos bolsistas e chegamos a um desconto para essa primeira edição para que seja viável a ambos os lados.”


ATLÉTICA ESPM

A Gazeta também tentou entrar em contato com a Atlética da ESPM, mas não obtivemos resposta até o momento de publicação desta reportagem.

AMOR PRETO E AMARELO

A Amor Preto e Amarelo, torcida organizada da Fundação, divulgou em seu Instagram oficial uma nota de posicionamento referente à Revoada na semana passada. A torcida comunicou que, em nenhum momento prévio, foi passada para a APA e para a Tatu Bola a possibilidade de ocorrer a festa conjunta entre as atléticas, a qual se trata de um desrespeito à tradição e à cultura da GV em sua percepção. Além disso, a nota esclareceu que as três organizações — a Atlética FGV, a APA e a TatuBola — se reuniram no último 22 de agosto para conversar sobre a Revoada.


A torcida observou: “Apesar do reconhecimento por parte da AAAGV do erro em não sermos comunicados previamente, a Atlética novamente traz o financeiro como razão essencial para que essa ‘parceria’ ocorra, assim como no Econo, com a Tenda e com o alojas conjuntos — que, segundo o informado, gerou prejuízo!”


A diretoria da APA também se pronunciou sobre o respeito à tradição e à cultura da GV: “Em cada canto, cada campo e cada arquibancada, a APA e a TatuBola estão presentes para reforçar nossa tradição e o amor pela Fundação. Mas, com as atitudes tomadas nos últimos anos, não é possível identificar o mesmo esforço por parte da AAAGV. Realizar uma festa em parceria com a Atlética da ESPM é colocar em risco a segurança do alunato. A APA repudia este evento, que não deveria ocorrer sob hipótese alguma. [...] Enquanto a solução dada pela Atlética para sua recuperação financeira for a destruição da cultura GVniana, como já foi no Economíadas, seremos frente de oposição.”


Por fim, a torcida sugeriu que os alunos não compareçam à Revoada e pediu para que evitem usar peças de roupa que remetem à TatuBola e à APA, caso decidam ir.


Nos comentários do post contendo a nota, alunos da FGV trocaram farpas. Enquanto alguns veem o posicionamento da entidade como “mimimi”, outros argumentam, em concordância com o entendimento da APA, que a realização de uma festa conjunta fere a cultura GVniana e que o DAGV saiu lesado dessa iniciativa.


TATU BOLA

Tentamos também entrar em contato com a Bateria Tatu Bola, mas não obtivemos resposta até o momento de publicação desta reportagem.


ALUNATO

Nós da Gazeta Vargas conversamos com diversos perfis de alunos da Fundação para entender o que cada um pensa a respeito da festa inédita realizada pela AAAGV em parceria com a Atlética ESPM.


Aluna da EDESP

[Qual a sua opinião sobre o desconto oferecido aos bolsistas para os ingressos da Revoada?]

“Nos foi dado 50% de desconto nos ingressos da Revoada e pagamos 50 reais. Esse desconto de 50% foi dado bem depois da abertura das vendas, no dia 26, e ele foi destinado apenas a bolsistas com bolsa 100%. Me falaram que iria até o dia 31 ou até esgotarem os ingressos, mas não haviam nos passado o valor. Eles falaram que teria desconto, e demoram uma, duas semanas para nos passar de quanto seria esse desconto de verdade. Se fossem 20 reais, os ingressos seriam mais acessíveis do que pagando 50. A Atlética nunca dá descontos pra quem não é 100%, mesmo no Tusca, no Econo e nas grifes. É a mesma coisa que sempre, mas [o valor] é sempre um absurdo. Tudo que é do DA ou do CA tanto os bolsistas 100%, quanto os 50%, costumam não precisar pagar para entrar.”


Aluna da EDESP

[O que você acha da polêmica em relação à Revoada, realizada pela Atlética FGV em conjunto com a Atlética ESPM?]

“Mais amor no coração, galera! Vai pra Revoada quem quer. Festa da GV não tem erro, independente de compartilharmos ela com a faculdade da lagartixa ou não. A Atlética só errou em atrapalhar o calendário de festas, mas bora fazer várias num mês só… Quero só ver se tu aguenta.”


Aluno da EAESP

[O que você acha da polêmica em relação à Revoada, realizada pela Atlética FGV em conjunto com a Atlética ESPM?]

"A questão financeira de uma entidade é algo a se debater, a LIDEN deveria interferir e fazer uma cooperação para colocar esse assunto em pauta. Nesse caso, se esse for o método mais viável, qualificado e que vai suprir a necessidade financeira da Atlética, então, sim, não deveria ser um problema se “unir” à outra faculdade. Não vejo como uma exclusão proposital, eu acho, claro que não tenho autonomia pra falar isso e nem provas, mas sinceramente, se houvesse união, o DA e a Tatu Bola estariam totalmente incluídos sem a menor confusão.


Sobre a rivalidade, eu parei pra pensar: até que ponto é cultural ou uma tradição o ódio pela ESPM? É no mínimo inexpressivo o número de pessoas que sabem desse conflito ou que levam a sério e, assim, não é algo reconhecível como uma rivalidade futebolística, é um ritual inexpressivo para se adequar aos costumes de rivalidades entre faculdades.


Quanto à situação da não gratuidade aos bolsistas, essa é a questão que mais me intrigou e eu realmente tive que repensar sobre esse ato. Tudo bem fazer um evento para se recuperar financeiramente e proporcionar uma experiência boa, até o momento que isso exclui um grupo. Repudio muito esse tipo de exclusão, porém, fiquei analisando: se houvesse união, competência, comunicação e não essa idiotice de conflito interno, possivelmente o DA ou a APA poderiam ajudar na criação do evento e então incluir essas pessoas. Proporcionaria tudo de bom.


Outra coisa: esse conflito interno só cria atrito e divide a própria instituição, é desnecessário. Que tenha cooperação e não ruptura, que se tornem mais fortes internamente, agitem seus símbolos, sua cultura expressiva, sua ‘nacionalidade’. Isso sim nos tornará unidos e competentes."


Aluna da EAESP

[O que você acha da polêmica em relação à Revoada, realizada pela Atlética FGV em conjunto com a Atlética ESPM?]

“A Atlética não falou com o DA nem com a Tatubola nem com a APA. Eles lançaram um rolê com a Criativa e com a ESPM sem falar com ninguém. Além disso, por que fazer uma festa com a ESPM? Faz uma festa com o Insper, faz uma festa com o DA. Não faz o menor sentido ser com a ESPM, a gente não tem nada em comum, só ódio.


Eles anunciaram o teaser sem nada, sem informações, de uma forma muito antiprofissional. Os ingressos já começaram super caros e eles falaram que só os venderiam até o dia 31… Enfim, achei a festa mal estruturada. Outra coisa absurda é que os bolsistas vão ter que pagar, sendo que em todas as festas do DA não se cobra nada dos bolsistas.


A festa vai ser na Águia de Ouro, que é o local da GVjada. Cada rolê tem um lugar específico: assim como o Bota Fora tem o Peruche, a Águia é da GVjada. Acho que pega muito mal para a GV fazer uma festa com a ESPM, sendo que nem o DA ESPM, nem a bateria deles, nem a torcida organizada Força ESPM vão nesse evento… Quem que vai nesse rolê?? Só os bixos e eles somente! A galera que tava zoando no post da APA é a galera que não “veste a peita” e acha que tá tudo bem, e isso fica muito feio pra GV.


As últimas festas da ESPM foram muito ruins, imagina se a gente faz uma festa com a ESPM e a festa é um fracasso? Pega muito mal pra gente… Fora que a data é no pré-feriado, em uma terça-feira… Não vou na festa nem a pau.”


Os depoimentos foram revisados e editados de modo a garantir clareza à leitura.


Autoria: Bruna Ballestero e João Pedro Fernandes

Revisão: Beatriz Nassar e Guilherme Caruso

Imagem: Acervo pessoal/Beatriz Bernardi