"Sobre mulheres feias e que odeiam homens"


Nossa redatora Victória Rieser traz uma análise de uma agressiva fala da atual ministra Damares Alves. Entenda o que está além da manobra social que alveja todos os insipientes.



Damares Alves é pastora evangélica, e também é a nova ministra do governo

Bolsonaro, titular do conglomerado de ministérios; da Família, da Mulher e dos

Direitos Humanos. Provavelmente, o leitor que aqui se estende, mesmo que

politicamente desinformado, já ouviu falar em Damares. Nos últimos tempos, algumas

de suas falas tiveram grande repercussão na mídia, sendo a mais polêmica: “menino

veste azul e menina veste rosa”. Essa foi uma, dentre várias outras pérolas como; “a

mulher nasceu para ser mãe”, “ninguém nasce gay” ou ainda “a gravidez é um

problema que dura só nove meses”. Frases intrigantes e acontecimentos que tiveram

visibilidade internacional como a palestra em que pastora afirma que um grupo de

especialistas holandeses diz ser necessário que os pais masturbem seus filhos a partir

dos sete meses de idade, foram motivos de revolta e discussão entre a população.

Nesse texto, me apego especificamente ao que foi exibido em uma reportagem

no Fantástico no último dia 13. “Sabe por que elas [as feministas] não gostam de

homens? Porque são feias e nós somos lindas”, disse, provocando histeria na plateia.

Comentário tendencioso e equivocado, para não dizer pior. Essa frase foi dita em uma

Assembleia de Deus em 2015 e faz parte do que eu chamo de manobra social; saiba o

que seu público quer ouvir e entregue isso a ele. Afinal, se seu auditório acredita que o

feminismo é sobre ser feia e não gostar de homens, por que não dar isso a ele?

Essa deixa da ministra, me obriga a voltar à tópicos básicos esclarecedores do

movimento feminista como um todo. O feminismo é um movimento que luta contra

todas as formas de opressão exercida sobre as mulheres e pela igualdade entre os

gêneros, portanto, não é o oposto ao machismo. É um movimento plural e diverso, e

acredite, não tem nada haver com excesso ou falta de beleza!

Entretanto, a peculiaridade de Damares vai além do que se possa esperar, ao

pesquisar sua história descubro um grande trauma. Aos seis anos, a garota foi vítima

de abuso sexual – estupros sucessivos que perduraram dois anos, dentro da própria

casa. Esse crime levou à esterilidade da mulher. A comoção mudou sua trajetória, e o

fato é que não dá para entender Damares sem entender o trauma que a fez ser quem

é. A partir disso, passo a compreender sua obsessão pela mistura de dois temas:

sexualidade e infância. Quando seu trauma é incluído no contexto de suas falas, elas

deixam de parecer apenas loucura e requerem atenção. O Brasil falhou em reconhecer

nela uma vitima de abuso, o país não tratou o trauma de Damares, e agora, o trauma,

é parte daquilo que nos governa.

– Damares, querida, não me obrigue a andar por debaixo de suas leis.

Compartilhamos da mesma opressão apesar de sermos tão diferentes enquanto

indivíduos. O feminismo é tanto para a senhora quanto é para mim.

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

ESPAÇO ABERTO

MANDE SEU TEXTO/SEU POEMA/SUA ARTE