SOBRILHAR

No Espaço Aberto de hoje, apresentamos um poema enviado por Gabriel Linares. Encantem-se com "Sobrilhar".

Sobrilhar

Sou eu, sou você.

- qual deles evoca a fantasia?

Por um momento,

sem sentimento,

ainda há tempo.

Chama ascende,

alma da mente.

Há ponta:

é necessário conter.

Segundo...

Toco.

Invés de baixar,

sobe, os sons.

Os encantos, lhe dou.

Formo, floreio e chamo, penso.

As vezes, vontade vem:

pegar na mão e dizer o já elaborado.

Pra mim, eres conhecedora de tudo,

favoravelmente para o pisamento.

Questão:

a hipérbole duvidosa.

Afinal,

imagem - é o que realmente importa?

Visitamos-nos...

À gente do mundo,

agente do mundo.

Aqui - eus -, formulando:

sou, não sou.

O meu difícil jeito de me mostrar.

- E o amor, no fim, agora,

é questão de marketing?

Era você?

Cegueira...

O Sol, tão só;

ele brilha tanto...

Seguro, em claro – escuto -,

me procuro.

O brilho

- de quem vê ou de quem projeta?

Parece. Me parece. Pareço.

Nessa de eu-sous,

volta o não-queria-ser.

O sonho do poeta é se apaixonar junto a musa.


Foto de capa: Zhong Niao

62 visualizações